Biomassa na produção de tomate

mercado_alimentar_tomate2

A HortoMaria já conseguiu antecipar a apanha de tomate em um mês

A empresa HortoMaria, em Torres Vedras, está a testar produzir tomate em estufas aquecidas através da queima de biomassa. Se resultar, pode traduzir-se numa revolução do sistema de produção em estufas.

Produzir tomate cacho em estufas aquecidas através da queima de biomassa para antecipar a produção e conseguir vendê-la a preços mais competitivos. O projeto é da empresa HortoMaria, de Torres Vedras, em parceria com o Instituto Superior de Agronomia e a Universidade de Évora.

Com um investimento inicial de cerca de 40 mil euros, para uma área de meio hectare, o ano e quatro meses de ensaios já permitem tirar algumas conclusões. “É possível antecipar a produção um mês”, conclui Paulo Maria, o horticultor responsável pela empresa. Ao Mercado Alimentar o horticultor explica que o objetivo é antecipar a produção, “conseguimos ter tomate em abril, em vez de maio ou junho” e assim ser mais competitivos numa altura em que há menos tomate no mercado.

Apesar dos bons resultados iniciais, o responsável adianta que é preciso avaliar a viabilidade do investimento. “Há muitos fatores que influenciam o processo: a temperatura externa, a humidade, os custos com o combustível. Ainda temos alguns anos pela frente para perceber se este sistema é ou não rentável”, continua o responsável.

Com início a dezembro de 2014, o projeto passou pela instalação de uma caldeira de queima de biomassa – desde caroço de azeitona, resíduos florestais, cascas de pinhão de noz – e de tubagens que transportam o ar quente ao longo da produção. “A temperatura ideal para a produção de tomate varia entre os 23 e os 25 graus centígrados. Qualquer alteração pode colocar em risco a evolução da planta”, adianta ao Mercado Alimentar.

Para já o projeto mantém os dois ciclos de produção por ano (até agora um era entre janeiro e maio e outro entre julho e outubro) de forma a garantir a existência de produto no mercado durante todo o ano. “Não queremos inverter o ciclo de produção do tomate. Apenas queremos conseguir antecipar um pouco a colheita”,  enfatiza Paulo Maria.

A HortoMaria fechou 2015 com um volume de negócios de 1,4 milhões de euros. Atualmente conta com 12 hectares de estufas, onde se produz sobretudo tomate, courgette, feijão-verde e alface e emprega entre 35 a 40 trabalhadores nas épocas de maior produção.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s