Mirtilos contra Alzheimer

mirtilos

O consumo regular de mirtilos pode ajudar na prevenção da doença de Alzheimer

Para além dos benefícios na prevenção da doença cardíaca e cancro, agora os investigadores americanos defendem que estes bagos podem ajudar a evitar os sinais mais comuns da doença de Alzhemier. “Os nossos resultados corroboram os estudos prévios realizados em animais e estudos preliminares humanos. Os mirtilos podem, de facto, melhorar a memória e a função cognitiva de alguns idosos”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Robert Krikorian.

Na opinião do investigador, os efeitos benéficos dos mirtilos podem estar relacionados com os flavonoides, denominados antocianinas, que já demonstraram melhorar a função cognitiva em experiências realizadas em animais.

O estudo desenvolveu-se em duas fases. A primeira fase envolveu 47 adultos com mais de 68 anos e com distúrbio cognitivo ligeiro, uma fator de risco para a doença de Alzheimer. Após ingerirem, diariamente, pó de mirtilo liofilizado, equivalente a uma chávena, ou um placebo durante 16 semanas, o estudo verificou melhoria no desempenho cognitivo e na função cerebral dos indivíduos. “O grupo que ingeriu mirtilos apresentou melhorias na memória e no acesso a palavras e conceitos”, referiram os investigadores. As ressonâncias magnéticas funcionais realizadas demonstraram também que os indivíduos que ingeriram o pó de mirtilo apresentavam um aumento da atividade cerebral

No segundo estudo, 94 indivíduos com idades compreendidas entre 62 e 80 anos foram divididos em quatro grupos distintos. Os participantes foram convidados a ingerir pó de mirtilo, óleo de peixe, óleo de peixe e pó de mirtilo ou um placebo. Os voluntários não apresentavam problemas cognitivos, mas sentiam que a memória estava em declínio. Apesar de os resultados não terem sido tão animadores quanto os do primeiro estudo, verificou-se que a função cognitiva melhorou ligeiramente nos indivíduos que ingeriram pó de mirtilo ou óleo de peixe separadamente.

A equipa de investigadores concluiu que os dois estudos relevam que os mirtilos parecem ser mais eficazes para os pacientes com distúrbios cognitivos. Contudo, não demonstram ter benéficos mensuráveis para aqueles com problemas de memória ligeiros ou para quem ainda não desenvolveu problemas cognitivos.

Em Portugal os dados são escassos. Um estudo de 2015, “Epidemiologia da Demência e da Doença de Alzheimer em Portugal: Estimativas da Prevalência e dos Encargos Financeiros com a Medicação”, coordenado pela investigadora Isabel Santana, aponta para a existência de 160.287 de portugueses com mais de 60 anos e com demência, o que corresponde a 5,91% deste universo populacional.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s